.
Mães narcisistas precisam de perdão espiritual

Mães narcisistas precisam de perdão espiritual

A família normalmente é o nosso porto seguro, onde encontramos o maior amor que podemos ter na vida. Amor de mãe é a coisa mais incrível que existe, seja quando recebemos ou quando sentimos.

Mas nem para todos é assim. Há quem enfrente um inferno entre quatro paredes, tendo a mãe como terrível algoz. De alguma forma, sabemos que tudo foi programado, e um espírito que nasce em um lar de ódio, violência e egoísmo aceitou essas condições por motivos que não nos cabe saber enquanto encarnados. E essa ferida é muito dolorida, e normalmente é carregada por toda a vida.

“Quem não experimentou o sentimento primordial do amor materno, muito frequentemente sentirá que lhe falta o amor primitivo pela própria vida”
Arthur Schopenhauer

Quem tem a personalidade moldada nesse ambiente de hostilidade frequente, tendem a desenvolver transtornos gravíssimos do espectro da ansiedade, depressão e a síndrome do pânico, pois passam a vida ansiosas e tentando se defender. Crescer em uma família que te destrói e humilha é uma das provas de vida mais difíceis que existem e deixa marcas eternas. E a única lição possível só pode ser o perdão.

Transtorno narcisista

Quem tem uma mãe assim sabe o inferno que é. Alguns pensam que se trata somente de uma mãe mais egoísta, mas a realidade é muito mais dura que isso. Experimenta-se o inferno, pouco a pouco, dia após dia. Nunca se sabe o que esperar e a desaprovação é constante. Raiva, hostilidade, inveja, mentiras, difamação e vitimismo são as emoções que dominam nessa relação, chegando ao ponto da violência física. É a receita para a destruição completa da autoestima e da vida de qualquer um.

“Os infinitamente pequenos têm um orgulho infinitamente grande”
Voltaire

Essas crianças crescem buscando aprovação. Tudo que elas querem é ser reconhecidas e valorizadas, mas, pelo contrário, não há nada que elas possam fazer que vá gerar um elogio, um reconhecimento mais afetuoso ou apoio emocional. Nada agrada essas mães, nada. A filha quer pertencer e tenta agradar o apetite insaciável da mãe eternamente insatisfeita, o que compromete sua autoestima e capacidade de realização no mundo, além da dor que faz a alma sangrar.

Falamos em mães, pois esse transtorno acomete as mulheres e se restringe na relação que elas têm com os filhos, especialmente as filhas mulheres. Mas pode acontecer com meninos também, embora não seja tão comum. Filhas únicas é também um padrão, mas o transtorno da mãe narcisista ocorre de forma ainda pior quando essa mãe doente tem mais de um filho, pois ela sempre vai escolher um para tratar como vitorioso enquanto no outro projeta emoções negativas típicas do transtorno. Além da destruição do filho escolhido com vítima, ela também destrói qualquer possibilidade de uma relação saudável entre os irmãos.

Nesse transtorno prevalece a autoimportância, uma necessidade excessiva de admiração e uma falta de compreensão e desdém em relação aos sentimentos da filha. São pessoas que ultrapassam os limites da arrogância, do egoísmo e da ética, pois não se importam em construir uma vida de mentiras que socialmente sustentem essa posição de “vítimas”. A difamação da filha está sempre muito ligada a esse transtorno. A vida da filha vira um inferno desde a infância, encontrando na adolescência a pior fase.

“O narcisismo torna as pessoas incapazes de olhar para além de si mesmas, dos seus desejos e necessidades. Mas quem usa os outros, mais cedo ou mais tarde acaba por ser usado, manipulado e abandonado com a mesma lógica”
Papa Francisco

Infância roubada

É na infância que tudo começa. Quando a criança começa a se tornar mais independente e começa a fazer escolhas, a mãe narcisista começa a se desagradar e então essa relação doentia se intensifica. A reclamação é sempre “ela não obedece”, pois isso fere o ego frágil mas imenso que essas mães têm. Sempre muito autoritárias, quando não são obedecidas mesmo nas pequenas coisas, podem virar monstros. Em lares saudáveis, costuma-se lidar com a energia da criança e a dinâmica de descobrimento do mundo, que envolve testar as autoridades. Já uma mãe narcisista só conhece a ofensa e o castigo como forma de “educar”.

“É que Narciso acha feio o que não é espelho”
Caetano Veloso

Como a projeção de emoções é sempre negativa e tende à violência, essas crianças e especialmente adolescentes correm perigo. Essas mães expõem a filha a situações de risco real e geralmente agem com agressividade, podendo representar um perigo para a integridade física das filhas.


Clique Aqui: Descubra quais são os signos mais narcisistas


Adolescência: a pior fase

É na adolescência que o transtorno da mãe narcisista mais machuca. A fase já é complicada por natureza, pois existe certa indolência no comportamento de qualquer adolescente normal, além da vontade de pertencer. É aí que essa construção da identidade adolescente se choca com a mãe narcisista. Tudo que o adolescente gosta ou se interessa, fica proibido. A restrição e os castigos eternos pelas coisas mais banais são a forma de castração que as mães narcisistas encontram para validar seu comportamento.

“Deve-se deixar a vaidade aos que não têm outra coisa para exibir”
Honoré de Balzac

Esses adolescentes vivem de castigo e têm a liberdade restrita. Se a infância é roubada, a adolescência é totalmente destruída. As amizades são todas sempre muito mal vistas, pois ninguém presta. As atividades que o adolescente tenta desempenhar nunca estão à altura das expectativas dessas mães, que geralmente desejam para esses filhos o foco em atividades que são totalmente contrárias à sua natureza. E elas se incomodam muito com a felicidade. Se o adolescente está feliz, elas vão encontrar uma forma de destruir esse momento, transformando qualquer sonho em pesadelo. Por isso, se incomodam demais com o lazer e divertimento.


Ninguém consegue ajudar

Ninguém é capaz de perceber que essa relação doentia está ocorrendo, pois o adolescente está em uma posição vulnerável perante a mãe e o reconhecimento da autoridade que ela tem da sociedade. Nem ele mesmo sabe que está sendo vítima de uma mãe narcisista e doente, pois está, normalmente, mergulhado em culpa e imenso sofrimento. Para sustentar essa posição de vítima perante a sociedade, elas não medem esforços na difamação dos filhos. Inventam mentiras e destroem a imagem da filha, que deixa de ser respeitada e ter qualquer credibilidade perante a família e a sociedade. É uma luta solitária, envolta em muita incompreensão e humilhação.

E claro, socialmente as mães narcisistas são tidas como “ladys”, o que torna ainda mais difícil a validação de qualquer expressão emocional das filhas. A mãe narcisista é muito habilidosa em se fazer de vítima e de incompreendida, afirmando que a filha é ingrata, rebelde, revoltada, recebendo todo apoio social e familiar. Como precisam de atenção e o senso de autoimportância é muito elevado, socialmente elas constroem uma imagem de perfeição tão grande que ninguém é capaz de desconfiar de nada.

Geralmente o transtorno da mãe narcisista só é conscientizado pela filha na idade adulta através de terapia, quando o sofrimento que essas filhas carregam se torna um fardo pesado demais.


Clique Aqui: O pecado da vaidade: narcisismo em alta e como se manter afastado


Sintomas de uma mãe narcisista

  • 1

    Restrição do lazer

    O divertimento é sempre restrito e considerado impróprio. Mães narcisistas exercem poder através da restrição e tendem a manter a filha “trancada” em casa, usando desculpas e castigos.

  • 2

    Descanso proibido

    As mães narcisistas não gostam de ver o filho descansar. Dormir até mais tarde é sempre motivo de briga e elas arranjam sempre mil tarefas que devem ser cumpridas, especialmente relacionadas aos cuidados da casa.

  • 3

    Oscilações de humor

    Nunca se sabe o que esperar desse tipo de mãe. Vive-se em constante tensão, pois o humor da mãe narcisista oscila com grande frequência.

  • 4

    Chantagem emocional

    Tudo que elas fazem pelas filhas vem envolto em culpa. Elas fazem questão de demonstrar “o grande esforço” mesmo através das menores coisas. Estão sempre se colocando na posição de heroínas, deixando para filha o espaço de fardo, ingratidão e não merecimento. Geralmente filhas de mães narcisistas sentem muita culpa, pois levam anos para entender essa relação doentia e acabam acreditando na mãe, que sempre culpa essa filha por tudo. Manipulação também faz parte do quadro.

  • 5

    Donas da verdade

    Elas não aceitam críticas nem nenhum tipo de argumentação. Quando são confrontadas, explodem e se recusam a aceitar qualquer verdade que não seja a delas. Odeiam diálogo e qualquer tipo de negociação. Perante essa mãe, a filha não tem voz; vale somente as vontades e os interesses dela. Quando existem questões financeiras envolvidas, isso fica ainda mais evidente.

  • 6

    Comportamento

    Dentro de casa, a mãe narcisista é uma; fora de casa, outra. Na frente dos outros, age como mãe normal e em casa é amarga, inacessível, autoritária e desinteressada.

  • 7

    Dissimulação e mentiras

    A mãe narcisista não se importa com a ética quando precisa manter as aparências. O que a mãe narcisista diz não se escreve, pois é dissimulada e mente descaradamente. Sobretudo para acobertar seus ataques verbais e abusos, como também para manter uma imagem de superioridade e perfeição. Ela vai denegrir a filha o quanto puder, pois o lugar de vítima lhe rende atenção social.

  • 8

    Desvalorização

    Elas tendem a questionar, invalidar, desvalorizar e a descartar os talentos e conquistas da filha, enquanto superestima as próprias “qualidades” de maneira exagerada. Elas sempre têm um comentário negativo ou uma alfinetada na manga.

  • 9

    A raiva

    As mães narcisistas descarregam a raiva e a frustração em forma de ataques verbais, onde proferem palavras ásperas para extravasar seu descontentamento e amargura. As palavras abusivas são uma grande arma nas mãos de mães narcisistas.

  • 10

    Apoio

    Ao contrário da maioria, as filhas de mães narcisistas sabem que não podem contar com elas nas situações mais difíceis. Pelo contrário, além da pressão que enfrentam durante as adversidades, ainda precisam gerenciar o temor que sentem, pois, quando a mãe descobrir a situação, vão ser ainda mais humilhadas e ter suas fraquezas revertidas em ataques. Não importa o que aconteça, as filhas nunca têm razão.
    Se o apoio for financeiro, piorou. Elas se negam a ajudar ou, quando ajudam, fazem muito menos do que podem, geram muita culpa e se colocam na posição de “você está me explorando”.

  • 11

    Estagnação psicológica

    Essas mães não evoluem emocional e psicologicamente com a idade. Mesmo quando mais velhas e mais experientes, elas mantém os mesmos valores inflexíveis, infantis e superficiais.

  • 12

    Importância da imagem

    As mães narcisistas odeiam demonstrar vulnerabilidade emocional. Para elas é muito mais importante parecer bem do que se sentir bem. Emanam uma imagem de perfeição, ainda que estejam dominadas por sentimentos negativos intensos como a inveja, a insatisfação, a insegurança e a raiva.

  • 13

    Recusam diagnósticos e ajuda

    Como elas pensam que pariram o anticristo, essas mães lotam os consultórios de psicologia pois entendem que esses profissionais podem “consertar” suas filhas, já que a culpa é inteiramente delas. Quando o profissional começa a questioná-la, percebendo que talvez exista uma influência negativa delas, simplesmente abandonam a terapia e se recusam a conversar.
    E, mesmo quando o profissional consegue fazer um diagnóstico da situação, elas não aceitam.

  • 14

    Violência

    Normalmente, filhas de mães narcisistas apanham e sofrem diversos tipos de abuso físico desde a infância. Como não lidam com a raiva e estão sempre frustradas, a violência física é muito presente nesse tipo de transtorno.

O perdão pode ser a libertação

Primeiro, é preciso dizer que o perdão é uma escolha e não uma obrigação, como a psicologia e o coaching gosta de impor. Mas sim, há grande verdade em dizer que, quando perdoamos, o maior beneficiado somos nós mesmos.

“O perdão é um catalisador que cria a ambiência necessária para uma nova partida, para um reinício”
Martin Luther King

Do ponto de vista espiritual, quem nasce com uma mãe narcisista em seu caminho pode ter um planejamento encarnatório que priorize a autoestima. Nada melhor para fortalecer a autoestima do que sofrer humilhações. A primeira vista essa afirmação parece não fazer sentido, mas quando olhamos com mais cuidado, nós não conquistamos algo quando ele nos é dado. Se um espírito precisa trabalhar a autoestima, nascer em um lar onde ele é constantemente validado vai maquiar o problema e não impulsionar aquela “volta por cima”. Ao contrário do que se pode pensar, é na adversidade que mais nos fortalecemos, mesmo que essas experiências gerem uma dor imensa. E uma mãe narcisista destrói a autoestima de qualquer um, mas essa filha quando chega no fundo do poço, até mesmo como forma de defesa, aprende a se valorizar perante a vida e percebe que o que os outros pensam não tem importância. Quando superam suas mães, nada mais as atinge.

E muito provavelmente o perdão também faz parte dessa ligação espiritual. Não é fácil perdoar os abusos quando eles vem da única pessoa no mundo que deveria te amar. E esse perdão não significa ir lá, abraçar a mãe e dizer “te perdoo”, até porque mães narcisistas não pensam que precisam ser perdoadas. É um perdão interno, uma compreensão espiritual de que aquele espírito é perturbado e que também deve ter sofrido. O perdão nesses casos está relacionado com superação, com cicatrização de feridas, com fortalecimento da alma. Por isso, quando perdoamos, estamos libertando nós mesmos das prisões que a dor cria para nós.


Saiba mais :

Guta Monteiro Guta Monteiro

Apaixonada por filosofia e literatura, é formada em publicidade e estuda espiritualidade desde criança. Buscadora incansável dos mistérios da vida, adora compartilhar ideias sobre Deus e as forças que movem o universo, para ajudar no seu próprio despertar e no encontro com poder divino que existe em nós. Usa a espiritualidade para crescer e ajudar a crescer aos demais e sonha com um mundo feito de igualdade, fraternidade, liberdade e amor.