.
Ayurveda e o Vegetarianismo — Consumo consciente e a ação do karma

Ayurveda e o Vegetarianismo — Consumo consciente e a ação do karma

Existem alguns equívocos a respeito do vegetarianismo e seu papel na alimentação ayurvédica. Alguns autores sobre o Ayurveda afirmam que essa medicina é baseada no vegetarianismo devido a razões religiosas, ao invés de quaisquer motivos biológicos ou de saúde.

Entretanto, segundo o Charaka Samhita — o mais importante texto do Ayurveda que sobreviveu até os dias de hoje —, existem orientações de consumo para alimentos vegetais e animais.

Ayurveda e o vegetarianismo, qual a relação?

A literatura Charaka Samhita não declara ou recomenda a alimentação constante da carne. Pelo contrário, afirma que a carne se mostra nutritiva apenas para o alívio de certas doenças ou quando o indivíduo se encontra desidratado, fraco, muito magro ou convalescente.

O texto também menciona que a carne é “prejudicial” quando se trata de um animal que foi criado em um habitat que não o seu ambiente natural, ou em áreas não nativas. A carne do animal se torna tóxica a partir do momento em que ele se alimenta de elementos que não fazem parte da sua dieta natural ou não provém de seu ambiente normal.

É claro que a carne, da forma como é preparada hoje em dia, não atende a essas diretrizes para uma alimentação saudável — e não somente segundo o Ayurveda. Além disso, biologicamente os serem humanos estão mais adequados a uma dieta predominantemente vegetariana.


Clique Aqui: 3 ensinamentos da Ayurveda para conquistar uma pele perfeita


Digestão e acúmulo de toxinas

É de conhecimento geral que a carne não é um alimento facilmente digerível e, segundo o Ayurveda, o longo processo digestivo frequentemente leva à formação de toxinas fisiológicas ou emocionais (chamadas de ama).

Quando acumuladas, essas toxinas podem produzir inúmeros problemas de saúde, como pedras nos rins, gota, cálculos biliares e reumatismo. Isso acontece porque Agni, seu fogo digestivo, não é capaz de digerir e eliminar as toxinas do organismo.

Dr. Bernard Jensen, um renomado nutricionista Norte-Americano, expressa claramente esse conceito quando diz que “proteínas animais apodrecem muito rapidamente no trato intestinal, e é por isso que devemos ter cuidado com esses alimentos. Subprodutos com proteína tóxica podem encontrar o caminho para a corrente sanguínea, onde causam muitos problemas”.

O Ayurveda atribui uma importância fundamental aos alimentos e hábitos alimentares à manutenção de uma boa saúde. Comida é vida! Os textos indianos antigos estão repletos de exemplos onde o Ayurveda é colocada sobre um alto patamar na hora de estabelecer uma dieta, curar doenças e manter a saúde impecável.

Eles enfatizam a comida vegetariana, que é denominada sáttvica. Essa é a categoria mais desejável para o consumo humano dentre as três para as quais o Ayurveda designa todos os alimentos. Os outros “Gunas”, como são chamadas essas três tendências, contêm os alimentos rajásicos e tamásicos.

O consumo regular de alimentos sáttvicos ajuda a prevenir doenças e a manter uma boa saúde física, mental e espiritual. Alimentar-se desse cardápio e praticar um estilo de vida sáttvico é a melhor medicina preventiva que se pode aderir.


Clique Aqui: Ayurveda no antienvelhecimento: 6 ervas para se manter jovem


Pode ou não pode ingerir carne?

Segundos os aconselhamentos originais do Ayurveda, uma dieta deve ser puramente vegetariana. No entanto, ao longo dos milênios em que essa medicina existe, o papel do vegetarianismo no Ayurveda sofreu algumas modificações.

Alguns autores chegaram a defender o consumo em suas diretrizes alimentares, ou passaram a defender que pessoas com a constituição Vata precisem das proteínas de origem animal.

Outros especialistas afirmam que o Ayurveda é baseado no vegetarianismo por questões religiosas e espirituais, sendo os benefícios biológicos uma consequência.

A verdade é que comer carne foi sim um dado incluído nos textos ayurvédicos originais, ainda que em porcentagens muito pequenas. Mas para que esse consumo aconteça e o alimento seja “aceito”, existe uma série de ressalvas.

A primeira regra para que a carne possa vir para à mesa é que a mesma deve ser obtida utilizando métodos tradicionais de caça. Além disso, o animal a ser caçado precisa ter vivido em seu habitat nativo e de forma natural.


Clique Aqui: A importância e o jeito certo de beber água, segundo a Ayurveda


O perigo cármico do consumo da carne

Além dos textos ayurvédicos sobre o assunto, a literatura védica explica em termos claros que existe um perigo cármico em consumir carne e, principalmente, em tirar a vida de animais desnecessariamente.

Segundo o “Código de Manu” (coleção de livros bramânicos que consiste na legislação do mundo indiano), encontramos trechos claros como: “a carne jamais pode ser obtida sem ferir outras criaturas vivas, e ferir outros seres sencientes é danoso à obtenção da bem-aventurança celeste. Portanto, que haja abstenção do consumo de carne. Tendo considerado bem a origem repulsiva da carne e a crueldade envolvida em prender e matar seres corpóreos, que haja completa abstenção do consumo de carne”.


Clique Aqui: Como dormir bem? 6 ervas da Ayurveda têm a resposta


As consequências do Karma

Para aqueles que auxiliam no processo de abate ou tratamento de animais confinados, diz-se que também existem consequências cármicas. No Manu-samhita 5.51-52, você encontrará o seguinte texto:

“Aquele que permite o abate de um animal, aquele que o corta, aquele que o mata, aquele que compra ou vende a carne, aquele que a cozinha, aquele que a serve e aquele que a come devem ser todos considerados os próprios matadores do animal. Não há pecador maior do que aquele que, em vez de tentar crescer através da adoração aos deuses e aos antepassados, o faz através da carne de outros seres”.

Ainda segundo o Manu-samhita (5.37-38 e 5.45), há uma previsão para as próximas vidas de um consumidor da carne sem motivo legítimo. A experiência de mortes violentas em nascimentos futuros ou ainda a impossibilidade de encontrar a felicidade (nesta vida ou na próxima) são algumas das consequências para quem fere animais inofensivos com o desejo de conferir prazer a si mesmo. Você pode encontrar todos os trechos citados e outros associados ao consumo da carne clicando aqui (em inglês).

Neste e em outras literaturas hindus, não há dúvida de que o shastra, ou preceito védico, recomende o abandono do consumo da carne baseado no egoísmo e no prazer da língua. É preciso se abster dessa atividade caso tenha alguma preocupação não somente com outros seres vivos, mas com a própria existência futura ou com a obtenção de méritos espirituais.


Saiba mais :

Heloisa Von Ah Heloisa Von Ah

Designer e redatora, respira arte desde que se entende por gente. Apaixonada por gatos, literatura, cinema e músicas que já ninguém mais se lembra, vê na calmaria e na simplicidade o cenário ideal para se viver. Aprendeu de tudo um pouco, de instrumentos musicais a artes marciais; e não vê a hora de mais, já que a vida não pode parar