.
Nossa Senhora de Guadalupe: milagres que desafiam a ciência

Nossa Senhora de Guadalupe: milagres que desafiam a ciência

Apesar do ceticismo da ciência, existem fenômenos considerados milagres que não podem ser explicados. Milagre é um acontecimento sobrenatural que contraria as leis da natureza e tudo que é conhecido e aceito sobre a vida humana. Há relatos de milagres em praticamente todas as religiões, e, alguns deles, seguem desafiando a compreensão científica e permanecem inexplicáveis e assombrosos.

“Só há duas maneiras de viver a vida: a primeira é vivê-la como se os milagres não existissem. A segunda é vivê-la como se tudo fosse milagre”
Albert Einstein

Para nós, que vivemos uma vida normal e que não passamos por experiências transcendentais e nenhuma Nossa Senhora nos apareceu, a importância de tais milagres não é menos importante. Através deles, temos comprovações do cuidado de Deus conosco e da existência do mundo espiritual, além da afirmação da importância das religiões e suas narrativas metafísicas para o desenvolvimento humano.

Assim é o Milagre de Nossa Senhora de Guadalupe, um fenômeno muito estudado pela ciência e que apresenta evidências incontestáveis sobre o mundo espiritual e a veracidade do ocorrido. Quando nossa fé se abala, são acontecimentos como este que podem nos colocar rapidamente no trilho da espiritualidade e exterminar nossas dúvidas e questionamentos. Especialmente quando a ciência se debruça sobre eles e se dá por vencida, não encontrando em suas bases explicações plausíveis e naturais que consigam desconstruir a aura espiritual que esses eventos milagrosos evidenciam.

Como aconteceram as aparições de Guadalupe

A virgem de Guadalupe é uma aparição mariana que recebeu o nome de Guadalupe, ou seja, é a aparição da Virgem Maria que recebeu o nome de Guadalupe. As muitas nossas senhoras que existem são parte do fenômeno mariano e trata da mesma entidade, no caso, a Virgem Maria mãe de Jesus.

A imagem de Nossa Senhora de Guadalupe surgiu em 1531, quando o índio Juan Diego disse ter visto uma senhora, uma entidade espiritual em um campo próximo a Cidade do México. A imagem tem como seu principal local de culto a Basílica de Guadalupe, localizada no sopé do monte Tepeyac, ao norte da Cidade do México.

Segundo documentos históricos do Vaticano, a Virgem Maria apareceu quatro vezes a Juan Diego e mais uma vez ao seu tio Juan Bernardino; a primeira aparição aconteceu na manhã de 9 de dezembro de 1531, quando Juan Diego teve a visão de uma senhora que se identificou como a Virgem Maria, “mãe do verdadeiro Deus”. A senhora pediu que uma igreja fosse construída naquele local em sua honra e orientou Juan Diego a procurar o arcebispo da cidade do México, o que Juan Diego obedeceu. Porém, nesse primeiro encontro, o índio não recebeu crédito pelo seu relato pois o arcebispo não acreditou em sua história.

“O milagre não prova o impossível; serve, apenas, como confirmação do que é possível”
Textos Judaicos

Juan Diego então, muito entristecido, tentou conversar com entidade mentalmente, pedindo auxílio pois não havia conseguido cumprir sua missão. No mesmo dia ele voltou a ver a Virgem Maria pela segunda vez, que pediu que ele não desistisse e continuasse insistindo. No domingo, 10 de dezembro, Juan Diego conversou com o arcebispo pela segunda vez, que pediu que Juan Diego trouxesse uma prova da identidade da virgem e autenticidade da aparição. No mesmo dia, a terceira aparição ocorreu quando Diego voltava para o Tepeyac; Juan Diego relatou a virgem o pedido do arcebispo e a virgem consentiu em fornecer uma prova no dia seguinte, 11 de dezembro.

Em 11 de dezembro, no entanto, Juan Bernardino – tio de Juan Diego- ficou gravemente doente e Juan Diego teve que ajudá-lo, se concentrando somente em seu bem-estar. Nas primeiras horas da terça-feira do dia 12 de dezembro, a condição de Juan Bernardino piorou muito durante a noite e Juan Diego parte em busca de um padre para ouvir a confissão do enfermo. Para evitar ser atrasado por qualquer que fosse o acontecimento, Juan Diego escolheu uma outra rota ao redor da colina, para evitar contratempos. Porém, a Virgem o interceptou, fazendo sua quarta aparição. A virgem perguntou a Juan Diego onde ele estava indo e ele explicou o que tinha acontecido, então a virgem assegurou-lhe que Juan Bernardino já havia se recuperado e lhe disse para subir o monte Tepeyac e colher as flores do seu cume; estranhamente, essa colina era feita de solo estéril e fazia frio pois era inverno. Juan seguiu suas instruções e, muito surpreso ficou quando encontrou rosas castelhanas, não originárias do México, florescendo ali. Quando Juan Diego voltou com as flores, a Virgem as organizou no manto de Juan Diego e concebeu a prova que havia sido solicitada pelo arcebispo.

“Se pudéssemos ver o milagre duma simples flor, toda a nossa vida mudaria”
Buda

Quando Juan Diego chegou ao palácio do arcebispo e abriu o manto, as flores caíram no chão e no tecido estava a imagem da virgem, que posteriormente recebeu o nome de Nossa Senhora de Guadalupe. O arcebispo finalmente se convencera sobre o fenômeno e a história pôde prosseguir de acordo com os pedidos de Maria.


Clique Aqui: Santuário Mariano de Nossa Senhora de Guadalupe – local de fé e devoção


Os milagres de Nossa Senhora de Guadalupe

Assim como outras aparições, esse fenômeno é especial por deixar evidências incontestáveis de sua autenticidade, além dos milagres que foram realizados. O primeiro desses milagres foram as flores que Juan Diego colheu na colina: o fato seria corriqueiro se não fosse a colina estéril, as flores terem origem externa ao México, além do inverno rigoroso que acontecia na época. É mesmo um milagre inexplicável o fato das flores estarem ali, como que colocadas especialmente para a visita de Juan Diego e à espera de sua chegada.

“É preciso correr riscos. Só entendemos direito o milagre da vida quando deixamos que o inesperado aconteça”
Paulo Coelho

Há também o súbito restabelecimento do tio de Juan Diego, conforme indicado pela entidade. Milagrosamente, no dia seguinte de sua quase morte, Juan Bernardino estava totalmente curado e sem sinal de qualquer enfermidade.

Depois, temos ainda o manto e os fatos sobrenaturais que envolvem a impressão da imagem da Virgem Maria em seu tecido. Por isso, dedicamos um tópico à parte para tratar de cada um desses elementos, dando à eles o devido destaque.


5 fatos milagrosos sobre o manto de Nossa Senhora de Guadalupe

O manto que Juan Diego usava durante as aparições é a maior prova da veracidade do fenômeno e da existência do mundo espiritual. Tudo sobre ele indica, como a própria ciência atesta, que não se trata de uma produção humana. Por várias vezes o tecido foi analisado por cientistas e diversos testes foram feitos, porém, a conclusão é sempre a mesma: a imagem não foi pintada, o material usado não é da Terra e a perfeição de detalhes da imagem não pode ser atribuída ao ser humano, especialmente a alguém do séc. XVI.

Conheça 5 fatos surpreendentes sobre esse material e o que diz a ciência após exaustivas análises:

  • 1

    A imagem sobre o manto é incorruptível

    O manto é feito com fibras de cacto, portanto, é rústico e de qualidade muito baixa. Sua superfície é áspera, difícil até de vestir, o que torna quase impossível a preservação de qualquer “pintura” sobre ele. No entanto, a imagem de Guadalupe está intacta no manto há quase 500 anos, preservando não só a figura como também as cores da imagem. Todos os tecidos similares a do manto que foram colocadas em ambientes úmidos como o que rodeia a basílica onde está exposto, não duraram mais de dez anos. Enquanto que o manto original vem sendo exibido há 116 anos sem nenhum tipo de amparo, recebendo os raios infravermelhos e ultravioletas de dezenas de milhares de velas e intervenções temporais e não mostra sinais de degradação.

    O extraordinário estado de conservação do manto da Virgem de Guadalupe está completamente fora de qualquer tipo de explicação científica.

  • 2

    A imagem não foi pintada

    Cientistas e peritos em fotografia que estudaram o manto e a imagem garantem que não foi usada qualquer técnica de pintura, e que nem sequer existem no tecido traços de pincel. Ao invés disso, o que se descobriu é que a imagem foi literalmente impressa sobre o manto, ao mesmo tempo, e que a sua coloração não apresenta elementos animais nem minerais, ou seja, a região onde se encontra a imagem tem uma composição química e estrutural desconhecida na Terra. Como se não bastasse, embora o manto seja grosseiro, a parte dele onde está a imagem tornou-se suave e agradável como a seda.

  • 3

    A imagem contém detalhes que impressionam

    Em cada parte da imagem encontram-se detalhes surpreendentes e cheios de significado, seja para o mundo ou seja para a cultura mexicana. Por exemplo, o cabelo solto de Nossa Senhora de Guadalupe é um símbolo asteca da virgindade; uma das mãos é mais morena e a outra é mais branca, simbolizando a união entre os povos; as 46 estrelas impressas no manto representam exatamente as constelações vistas no céu na noite de 12 de dezembro de 1531; por fim, temos o anjo, representado com asas de pássaros típicos da região da Cidade do México e que anuncia a junção entre a Terra e o céu.

    São detalhes que comprovam a origem não humana da imagem impressa no manto. Ela só poderia ter “aparecido” ali através da intervenção de uma entidade espiritual, pois nem mesmo sua estrutura química aponta para elementos acessíveis ao ser humano e que estejam presentes na composição do planeta.

  • 4

    Imagem refletida nos olhos da Virgem

    Esse fato só foi descoberto recentemente, conforme as técnicas e instrumentos científicos avançaram e permitiram análises mais profundas. O oftalmologista peruano Dr. José Alte Tonsmann se concentrou em estudar os olhos da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, utilizando a técnica de magnificação de 2.500 vezes. Ele identificou o reflexo de até 13 indivíduos em ambos os olhos da Virgem, com proporções diferentes, exatamente como acontece quando o olho humano reflete uma imagem. Essa simulação é impossível de ser reproduzida através de uma pintura, especialmente em uma época antiga e quase sem recursos. Essas imagens que estão refletidas nos olhos da imagem, parecem ser a captura do exato momento em que São Juan Diego desdobrou a manto diante do arcebispo Zumárraga e das demais pessoas presentes na ocasião.

    Como poderia mãos humanas atingir tamanha perfeição e técnica? Até os dias de hoje não existem pintores capazes de reproduzir tal feito em suas obras.

  • 5

    O manto tem características de um corpo humano vivo

    Em 1979 o biofísico Dr. Phillip Callahan, da Universidade da Flórida, analisou o manto com tecnologia infravermelha e descobriu que a malha mantém uma temperatura constante de 36.6 a 37 graus Celsius, exatamente a temperatura média de uma pessoa viva. Como pode um tecido, inanimado, apresentar temperatura? Ainda mais a mesma temperatura de um humano vivo?

    E não é só isso. Um outro cientista, o médico mexicano Dr. Carlos Fernández de Castillo, examinou o tecido e encontrou sobre o ventre da imagem uma flor de quatro pétalas, conhecida pelos astecas “Nahui Ollin”. Para eles, essa flor era símbolo do sol e também da plenitude, muito popular na cultura mexicana até os dias de hoje. Ele também percebeu que as proporções do ventre grávido da imagem correspondiam exatamente ao corpo grávido de uma mulher, uma correspondência perfeita.


Clique Aqui: Conheça a poderosa oração de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro


Acontecimentos curiosos que envolvem a Nossa Senhora de Guadalupe

Parece pairar sobre o manto e imagem da Virgem de Guadalupe uma proteção espiritual especial. Alguns eventos que aconteceram ao longo da história demonstram que não só o manto é incorruptível, sobrevivendo a ação implacável do tempo, como possui uma proteção misteriosa em torno dele.

“A alma é o maior milagre do mundo!”
Dante Alighieri

O primeiro desses eventos ocorreu em 1785, quando um trabalhador acidentalmente derramou sobre o manto um líquido que continha 50% de ácido nítrico, na parte direita do tecido em um pedaço da imagem. Em qualquer outro material, especialmente os rústicos e grosseiros como o manto, o ácido nítrico teria causado grande estrago no tecido especialmente em relação às cores da imagem. Mas não, simplesmente nada aconteceu, e tanto o tecido quanto a imagem permanecem intactas até hoje.

O segundo evento relaciona-se com a explosão de uma bomba perto do manto, no ano de 1921. A bomba explodiu a 150 metros da imagem e destruiu todos os vidros nesse raio e parte da estrutura da igreja. Entretanto, nem o manto nem o vidro que o protegia foram danificados ou quebrados, como o restante das imagens, obras e estrutura da construção. Não há explicação para o fato das ondas expansivas que romperam os vidros a 150 metros de distância não terem nem de longe atingido o vidro, a imagem e o manto de Nossa Senhora de Guadalupe.


Saiba mais :

Guta Monteiro Guta Monteiro

Apaixonada por filosofia e literatura, é formada em publicidade e estuda espiritualidade desde criança. Buscadora incansável dos mistérios da vida, adora compartilhar ideias sobre Deus e as forças que movem o universo, para ajudar no seu próprio despertar e no encontro com poder divino que existe em nós. Usa a espiritualidade para crescer e ajudar a crescer aos demais e sonha com um mundo feito de igualdade, fraternidade, liberdade e amor.