.
Descubra a relação entre o Ayurveda e seu período menstrual

Descubra a relação entre o Ayurveda e seu período menstrual

Assim como o ciclo lunar, o ciclo menstrual tem 28 dias, e calculá-lo a partir da Lua é uma das formas mais antigas e eficazes de se estabelecer um calendário menstrual. Para o Ayurveda, entretanto, esse cálculo vai muito além e esclarece uma série de questões.

Na Antiguidade, acreditava-se que a grande maioria das mulheres entravam no período ao mesmo tempo, sempre sob a Lua Nova. Esse sincronismo se dava luz da Lua, uma vez que a energia elétrica ainda não havia sido inventada. A Lua também era a responsável por sincronizar toda a humanidade aos ciclos da natureza.

Ayurveda e o período menstrual

Em sânscrito, uma das palavras para definir menstruação é “Rajasraava”, que em tradução livre significa “fluir do rajas”. Se você já está um pouco familiarizada com o Ayurveda, deve se lembrar que Rajas (traduzido aqui como sangue) também se refere ao Guna Raja, uma das três energias qualitativas que determinam nosso desenvolvimento espiritual.

Isso significa que, durante o período menstrual, o corpo físico da mulher elimina todo o excesso de energia Rajásica. Essa é a energia responsável pelo movimento, pela fluidez e pela ação; pode expressar também emoções negativas como a raiva, frustração, intransigência, irritação e mudanças de humor.

Segundo o Ayurveda, podemos dividir o ciclo menstrual em quatro fases, sendo elas:

  • 1

    Semana (dias 1 a 7)

    Tendo início com o primeiro dia de menstruação, o corpo começa a aumentar os níveis de estrogênio, ao passo em que os sintomas da Tensão Pré-Menstrual perdem força. Esse é um período considerado de limpeza, onde todos os pensamentos e emoções negativas são removidos. O período é ideal para a introspecção e a reflexão sobre a vida.

  • 2

    Semana (dias 7 a 14)

    Período de pré-ovulação. Há uma grande energia sendo produzida, pois estrogênio e serotonina estão em seus melhores níveis. A mulher passa a se sentir com mais energia, disposição e procura por ação. É uma excelente fase para desempenhar trabalhos criativos.

  • 3

    Semana (dias 14 a 21)

    A 3ª semana marca a fase da ovulação, onde as mulheres estão mais inclinadas a cuidar da beleza, tratar de questões estéticas, físicas e tudo o que envolva a aparência. Este também pode ser um período vulnerável, já que existe a tendência de querer se conectar às pessoas e ao mundo ao seu redor.

    É necessário ter discernimento e manter os pés no chão diante de determinadas situações.

  • 4

    Semana (dias 21 a 28)

    Na quarta semana é comum que a mulher comece a sentir os efeitos do decréscimo do estrogênio, dando espaço para o aumento da progesterona. O comportamento se torna mais introspectivo e, segundo pesquisas, os 3º e 4ºs períodos concentram a maior atividade do lado direito do cérebro.

    Esse é o setor cerebral associado a intuição, o que faz do período o momento perfeito para seguir a própria intuição e confiar no que ela tem a dizer.

A tensão pré-menstrual no Ayurveda

Podendo ocorrer em até 15 dias antes da menstruação, sempre a partir da 3ª semana, a tensão pré-menstrual é marcada pelo desequilíbrio dos três Gunas (Rajas, Tamas e Sattva). Com essa transformação ocorrendo, negar o fluxo natural que te faz permanecer em introspecção pode acarretar em sentimentos de raiva, ressentimento e frustrações.

Sendo assim, prefira se alimentar com base em uma dieta que lhe traga equilíbrio aos Gunas. E de um modo geral, evitando qualquer tipo de excesso, especialmente de café, sal, chocolate e outros alimentos relacionados.


Clique Aqui: Aliviando sintomas da TPM através dos florais de Bach


Entendendo os três Gunas

Segundo Dr. David Frawley, um renomado autor e professor ayurvédico norte-americano, a natureza possui uma energia qualitativa por meio da qual podemos nos expandir na sabedoria ou nos contrair na ignorância.

Essas forças fundamentais são chamadas de Gunas, e determinam nosso desenvolvimento espiritual. Em sânscrito, Guna significa “o que ata”, o que faz total sentido, pois essas energias podem nos prender ou libertar do mundo exterior.

  • Sattva: promove a inteligência, partilha o equilíbrio, cria estabilidade e trabalha a bondade. Tem natureza leve e luminosa.
  • Rajas: representa a energia, causa mudanças, atividade e agitação. Essa força acrescenta um desequilíbrio ao indivíduo, perturbando o equilíbrio já existente.
  • Tamas: é a substância, cria inércia e funciona como a força da gravidade, que retarda e prende ações e acontecimento em formas limitadas e específicas.

Qualidades sutis da natureza, os três Gunas fundamentam a matéria, a mente e a vida. São essas energias as responsáveis pela mente superficial e também pelo funcionamento da consciência mais profunda.

São consideradas forças da alma, aquelas que detêm o karma e os desejos que impeles de um nascimento a outros. Os Gunas são parte integrante da Natureza, tomando a forma de seu potencial de diversificação.


Saiba Mais:

Heloisa Von Ah Heloisa Von Ah

Designer e redatora, respira arte desde que se entende por gente. Apaixonada por gatos, literatura, cinema e músicas que já ninguém mais se lembra, vê na calmaria e na simplicidade o cenário ideal para se viver. Aprendeu de tudo um pouco, de instrumentos musicais a artes marciais; e não vê a hora de mais, já que a vida não pode parar