.
Necromancia: a comunicação com os mortos

Necromancia: a comunicação com os mortos

Por muitos motivos, a necromancia adquiriu uma conotação muito negativa, ligada a uma relação não saudável com os mortos. Mas, na verdade, parte do que é a necromancia tem a ver com a comunicação com espíritos que já morreram.

Boa parte dos espiritualistas podem ser considerados praticantes da necromancia, quando possuem contato com entidades espirituais. O que é então a necromancia? Ela existe de verdade?

As crenças

A humanidade vive uma guerra religiosa de milênios. As diferentes narrativas religiosas lutam para conviver e conquistar mais devotos e manter as tradições. E temos que ter isso em mente quando estudamos sobre temas espirituais, pois cada pensamento religioso traz consigo uma série de dogmas e uma lógica específica. Assim, o termo necromancia passou por um processo histórico que deu a ele essa carga negativa.

A necromancia é a arte de se comunicar com o mundo espiritual para obter informações do futuro, através da invocação e comunicação com os mortos. A palavra deriva da combinação de dois termos gregos, “nekrós” (cadáver) e “manteía” (profecia, adivinhação). Um médium, nesse sentido, é um necromante. A necromancia faz parte do sistema de pensamento que concebe a consciência como entidade extracorpórea, portanto, imortal. E o destino dessas almas após a morte permite que exista uma comunicação entre o mundo dos mortos e a matéria, já que essas entidades se manifestam e se comunicam.

Seja sobre o passado, o presente ou o futuro, a vida humana pode ser investigada através do contato com os espíritos. Essa crença é muito antiga, pois, existem registros do uso da necromancia no antigo egito e também na Grécia. A cerimônia mais tradicional vem dos próprios gregos antigos – é mencionada na Odisseia, de Homero. Na Antiguidade, outras religiões pagãs da Europa adotaram a necromancia, mas elas acabaram proibidas pelo cristianismo e outras doutrinas, ficando conhecida como “a arte proibida”.

O tabuleiro Ouija é um dos meios de necromancia mais comuns, e talvez um dos mais perigosos. Encarado especialmente por adolescentes como uma brincadeira, um contato com o mundo espiritual sem preparo prático e teórico pode não ser uma boa ideia e atrair influências espirituais negativas.


Clique Aqui: Será que os mortos sofrem? Saiba o que causa seu o sofrimento


Como é um ritual de necromancia?

Há muitos tipos diferentes de rituais de necromancia que podem ser realizados para fins específicos. A maioria é feita no horário noturno e o fogo bastante utilizado.

É preciso dizer que os rituais abaixo em nada tem a ver com a doutrina espírita ou práticas espiritualistas e esotéricas. O contato com o mundo espiritual dentro desse conjunto de crenças é feito através do estudo e do desenvolvimento das capacidades mediúnicas de cada um. Não existem rituais nem nenhuma magia envolvendo a prática e a comunicação com os espíritos, que sempre possuem objetivos ligados a elevação moral e espiritual.

Como fica claro, a arte de se comunicar com os espíritos e trazer informações do mundo astral para a matéria é uma prática de todo o universo espiritualista. A necromancia é um termo abrangente, que pode significar coisas diferentes dependendo do contexto e das práticas dos envolvidos. É por isso que o termo se encaixa para as doutrinas esotéricas, ao mesmo tempo que convive com vertentes religiosas que ainda utilizam animais e os portais espirituais com objetivos densos.

  • 1

    A roda de fogo

    Geralmente conduzido por uma mulher, o ritual é realizado à noite, em um lugar plano e aberto. Diante de uma fogueira, a sacerdotisa traça um círculo em volta de si e de quem acompanha o evento. Não é permitida a presença de muita gente.

  • 2

    Homenagens

    Em muitos rituais é pedido o sacrifício de algum animal como oferenda às entidades. Também é comum usarem as roupas e joias que pertenceram ao falecido e, sempre que possível, um pedaço de seu cadáver, como mão ou perna. Essa última parte dá arrepios.

  • 3

    Canibalismo

    Essa parte é bastante assustadora. Para se aproximar do mundo dos mortos, a sacerdotisa veste as roupas e as joias do morto. Se houver um pedaço do corpo, ele ser cozido, embora essa prática seja antiga e muito rara hoje em dia. É mais comum beber o sangue do animal sacrificado.

  • 4

    Canto

    A sacerdotisa invoca o morto e canta em busca de um estágio de transe. O processo pode durar horas até que ela consiga contatar o espírito. Em alguns casos existe o apoio de instrumentos musicais para ajudar a atingir um nível mais elevado de consciência.

“A música é a linguagem dos espíritos”
Khalil Gibran

  • 5

    Mensagens

    Quando há contato, as mensagens são transmitidas por telepatia. Os demais podem fazer perguntas, que serão respondidas à sacerdotisa. Ela é a intermediária, a médium que conecta a dimensão material e a dimensão espiritual.

O que a Bíblia diz sobre a necromancia?

Como sabemos, a bíblia pode ser usada tanto para confirmar um pensamento, quanto para rejeitar uma ideia. A mesma bíblia em que Jesus nos ensina a oferecer a outra face, existe um deus que permite que seu vizinho seja espancado porque trabalhou no sábado, proíbe que frutos do mar sejam utilizados como alimento e condena quem mistura mais de um tecido nas roupas. Há muito conteúdo e muito contexto histórico na bíblia e nem tudo pode ser levado a ferro e fogo.

“Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no evangelho que você crê, mas, sim, em si mesmo”
Santo Agostinho

Podemos encontrar passagens na bíblia onde existem claramente contatos espirituais, visões e outros fenômenos semelhantes, mas podemos também encontrar trechos em que a comunicação com os mortos é expressamente recriminada.

Na Bíblia, a necromancia é também chamada de “adivinhação” e “feitiçaria” e é proibida e algumas passagens:

1. Levítico 19:26

“Não comereis coisa alguma com o sangue; não usareís de encantamentos, nem de agouros. Não cortareis o cabelo, arredondando os cantos da vossa cabeça, nem desfigurareis os cantos da vossa barba. Não fareis lacerações na vossa carne pelos mortos; nem no vosso corpo imprimireis qualquer marca. Eu sou o Senhor”.

2. Gálatas 5:19

“Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus”.

3. Atos 19:19

“Também muitos dos que seguiam artes mágicas trouxeram os seus livros, e os queimaram na presença de todos e, feita a conta do seu preço, acharam que montava a cinquenta mil peças de prata”


Saiba mais :

Guta Monteiro Guta Monteiro

Apaixonada por filosofia e literatura, é formada em publicidade e estuda espiritualidade desde criança. Buscadora incansável dos mistérios da vida, adora compartilhar ideias sobre Deus e as forças que movem o universo, para ajudar no seu próprio despertar e no encontro com poder divino que existe em nós. Usa a espiritualidade para crescer e ajudar a crescer aos demais e sonha com um mundo feito de igualdade, fraternidade, liberdade e amor.