.
Aprenda a fazer um amuleto de ervas para ter sorte e proteção

Aprenda a fazer um amuleto de ervas para ter sorte e proteção

O uso e confecção de um amuleto para proteção, boa sorte e muitos outros fins é de costume realmente popular e comum desde tempos remotos. Como base destes objetos dotados de positivismo, os elementos da natureza sempre foram alvos de estudo e da curiosidade humana sobre as energias que a envolvem, estando sempre presentes em rituais e celebrações como forma de canaliza-las em um só local para determinadas finalidades.

Em busca de respostas? Faça as perguntas que sempre quis numa Consulta de Vidência.

10 min de consulta por telefone SÓ R$ 5.

Como fazer um amuleto


Fazer seu próprio amuleto é relativamente simples, bastando identificar os elementos naturais corretos para cada finalidade. O tipo de amuleto mais comum é aquele confeccionado para atrair a boa sorte ou servir como um método de proteção, podendo este ser utilizado em diversas ocasiões e estar sempre presente em alguma peça do vestuário ou objeto pessoal. Sendo assim aprenda, logo a seguir, como confeccionar seu próprio amuleto com os objetivos de sorte e proteção.

Leia Também: Rituais: Limpeza com Óleo de proteção

Materiais necessários:

• 1 pedaço de tecido com uma das cores que compõem o arco-íris, sendo elas o vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, azul índigo, violeta, branco ou rosa. É importante não usar as cores preto e marrom e nem estampas agressivas que contenham imagens como caveiras, por exemplo. O tecido deve ter medidas aproximadas de 15 x 15cm;

• 1 pedaço de barbante;

• Boldo do Chile, Louro, Canela, Ipê Roxo e Hortelã Levante. Todas as ervas devem estar na sua forma desidratada.

Leia Também: Amuleto de Ogum: como fazer e utilizar esse meio de força e proteção

Confecção:

Primeiro é preciso cuidar do tecido. Com ele bem aberto sobre uma superfície plana, coloca-se sobre o tecido aproximadamente ½ de uma colher de café de cada erva selecionada, misturando-as muito bem.

O segundo passo inclui a energização das ervas; as plantas têm capacidades individuais de canalizar e armazenar certas energias e é isso que devemos fazer. Os métodos utilizados para energizar as ervas são determinados à escolha de quem está produzindo o amuleto, onde podem ser usadas orações, passe magnético, reiki, radiestesia, técnicas fitoenergéticas, transferindo através das mãos, por meio de cânticos, mantras ou mesmo imaginando cores.

Feita a energização, o tecido deve ter as pontas unidas para que forme uma pequena “trouxinha”. Para que esta fique bem fixa usamos o barbante para amarrar e manter as pontas unidas.

Esse amuleto em forma de um sachê fitoenergético pode ser usado da forma que desejar: no bolso, na bolsa, mochila, cabeceira da cama, em alguma estante, mesa de trabalho, chaveiro e até mesmo em um pingente, desde que ele fique o mais próximo possível de quem necessita de seus efeitos. Após 3 dias a energia presente nas ervas começa a perder força e portanto, é recomendável que o amuleto seja descartado e se faça outro.


Descubra a sua orientação espiritual! Encontre-se!

Gostou? Compartilhe!