.
A mediunidade de Chico Xavier: quais são os tipos e sinais dessa habilidade?

A mediunidade de Chico Xavier: quais são os tipos e sinais dessa habilidade?

Seguindo a base teórica estudada e difundida por pelo educador e pesquisador Allan Kardec, a doutrina espírita possui uma complexidade bastante profunda acerca dos tipos e manifestações que um corpo físico pode apresentar diante do contato com espíritos desencarnados; como é o caso da psicografia, mediunidade manifestada por Chico Xavier.


Os tipos e sinais das manifestações de mediunidade

Manifestada por diversas pessoas, ou corpos físicos, a mediunidade é apresentada em diversas maneiras diferentes – como é o caso da psicografia de Chico Xavier – e é reconhecida a partir de sinais visualizados nos indivíduos sensíveis à presença dos espíritos.

Leia também:
A Doutrina Espírita e os Ensinamentos de Chico Xavier ►

Tipos de mediunidade

Em busca de respostas? Faça as perguntas que sempre quis numa Consulta de Vidência.

10 min de consulta por telefone SÓ R$ 5.

Os tipos de mediunidade são diversos e segmentados nas mais complexas categorias, sendo elas descritas em detalhes no Livro dos Médiuns, de Allan Kardec. A característica sensitiva pode ser manifestada de maneira física, intuitiva, visual, auditiva, entre outras, sendo ela dada ao médium de acordo com sinais observados geralmente no período da infância. Veja quais são os principais tipos de mediunidade apresentados em um corpo sensitivo.

Efeitos Físicos: são manifestados em médiuns com capacidades de produzir fenômenos materiais, como mover corpos inertes, produzir ruídos ou manifestações ostensivas. Nesta categoria existem os facultativos, os quais têm consciência dos fenômenos que produzem; e os involuntários ou naturais, que são usados pelos espíritos e tornam-se inconscientes de suas faculdades;

Sensitivos ou Impressionáveis: esse perfil, com a categoria sugere, é sensível à presença de espíritos no ambiente, geralmente por uma vaga impressão deles. Alguns dos médiuns com tal habilidade são capazes de sentir a individualidade, bem como índoles boas ou más do espírito em questão;

Audientes ou Clariaudientes: conhecidos por ouvirem as vozes dos espíritos interessados em estabelecer uma comunicação, os médiuns audientes ou clariaudientes podem seguir, tanto uma voz interna quanto externa, sendo essa clara e distinta, como se escutassem uma pessoa viva;

Videntes ou Clarividentes: ao contrário do que muitos imaginam com essa classificação, a vidência nada tem relação com o futuro neste caso, mas sim indivíduos dotados da habilidade de enxergar os espíritos. Estes podem vê-los tanto com os olhos abertos como fechados;

Psicofônicos: manifestados pela fala, os espíritos se comunicam diante do acoplamento de seus perispíritos com os perispiritos dos médiuns que possuem tal habilidade;

Cura: habilidade ainda bastante discutida – mesmo entre o meio espiritual – os médiuns com capacidade de cura podem faze-la pelo toque, por um gesto ou simples olhar, tudo por meio de magnetismo que sua sensibilidade espiritual emana;

Mecânicos: a mediunidade mecânica se manifesta por meio de objetos presentes nas mãos do médium com tal habilidade. Com ele, itens como cestas ou lápis podem ser agitados ou arremessados, dependendo da índole e nível de evolução do espírito em questão. Médiuns como Chico Xavier, com o dom da psicografia também podem ser enquadrados nesta categoria;

Intuitivos: também possível de abrigar médiuns psicógrafos como Chico Xavier, os intuitivos agem por meio da transmissão de pensamento entre o espírito desencarnado e o encarnado. Neste caso, o espírito guiará o médium para que este escreva ou exprima suas vontades, servindo como uma máquina, um intermediário entre o espírito e a mensagem que deve ser passada;

Inspirados: os inspirados são os tipos de médiuns mais espontâneos e que mais têm a dificuldade em discernir pensamentos próprios de sugestões dadas por espíritos. Neste tipo de mediunidade, os seres desencarnados atuam como anjos da guarda, guardando, guiando, aconselhando e fazendo com que o corpo encarnado sinta sua presença e tenha pressentimentos quando algo está errado.

Outros tipos de mediunidade também já foram descritos e relatados por Allan Kardec e demais seguidores da doutrina; entretanto, são tipos raros com poucas comprovações.

Leia também:
A relação de Chico Xavier com a doutrina de Allan Kardec ►


Sinais de sensibilidade mediúnica

A sensibilidade mediúnica é bastante relativa e pode ser manifestada em diferentes períodos da vida, de diferentes formas e intensidades. No caso do médium Chico Xavier, seu dom se manifestou com quatro anos de idade, mas em outras pessoas pode ocorrer durante a vida adulta ou mesmo na velhice. Em geral, a mediunidade se desenvolve com maior facilidade em indivíduos com maior sensibilidade mental e sensorial.

Veja, a seguir, alguns dos sinais de manifestação da mediunidade e, ao se identificar com a maioria deles, procure saber sobre canalizar essa sensibilidade, controla-la e entender a importância de tal habilidade:

• Suor excessivo em regiões como mãos e axilas, bem como pés gelados;

• Habilidade de controlar os acontecimentos em seus sonhos (facilidade em entrar no chamado sonho lúcido);

• Capacidade de sentir a dor do outro, bem como vibrações negativas ou positivas de determinada pessoa ou lugar;

• Enxergar ou sentir presenças que parecem não existir no ambiente em que estiver;

• Multidões lhe causam mal estar;

• Há mudanças frequentes e repentinas de humor, oscilando de um extremo desânimo a sentimentos de euforia;

• Antipatias sem motivo aparente;

• Sentimentos de angústia, de vazio e da falta de compreensão do outro para consigo;

Esses e outros sintomas são clássicos de um indivíduo com os primeiros sinais de uma mediunidade, a qual será manifestada de início em estado de desequilíbrio, uma vez que o médium ainda não conhece a doutrina a ponto de entender do que se trata e agir da melhor maneira para equilibra-la.

Leia também:
Curiosidades sobre a Filosofia de vida de Chico Xavier ►


Gostou? Compartilhe!