.
Saiba tudo sobre Umbanda – das origens aos rituais

Saiba tudo sobre Umbanda – das origens aos rituais

O que é a Umbanda?


Para saber tudo sobre Umbanda é importante entender as bases de sua fundação. A Umbanda é uma religião brasileira fundada no Rio de Janeiro no início do século XX e foi formada a partir da síntese de diversos movimentos religiosos africanos, indígenas além do catolicismo, kardecismo e candomblé. Apesar de existirem terreiros e umbandistas praticantes em todo o país – a maior comunidade da umbanda está no Estado do Rio Grande do Sul – foi somente em 18 de maio de 2012 que a religião foi oficializada e considerada como uma religião brasileira por excelência.

Em busca de respostas? Faça as perguntas que sempre quis numa Consulta de Vidência.

10 min de consulta por telefone SÓ R$ 5.

Veja 8 pontos importantes para saber tudo sobre Umbanda


1- A Umbanda é resultante da mistura de diversas religiões

Assim como no Brasil a nossa origem advém da mistura de raças e culturas, na religião a Umbanda combina elementos da filosofia espírita kardecista, de cultos afro-brasileiros, tradições indígenas, do cristianismo católico e mais recentemente incorporou também conhecimentos vindos de cultos esotéricos.

Leia Também: Conheça as bases da religião Umbanda

2- O criador da Umbanda começou sua história religiosa no Espiritismo Kadercista

A origem da Umbanda confunde-se com a história pessoal de seu criador, Zélio Fernandino. Aos 17 anos, o rapaz morava em Niterói e estava acometido de uma doença parasitária que desafiava os conhecimentos dos médicos da época. Certo dia, ele levantou-se do leito e disse: “Amanhã, estarei curado”. Os médicos acharam que o rapaz estava maluco, mas no dia seguinte o examinaram e não encontraram qualquer sinal da doença.

Diante de tal fato, o rapaz decidiu frequentar a Federação Espírita de Niterói e assistir uma sessão. Logo no início dessa sessão, Zélio é tomado por uma força superior que o faz dizer: “Falta aqui uma flor”. Em seguida ele sai para o jardim, busca uma flor e coloca-a sobre a mesa. Sem entender o que acontecia, os demais participantes da sessão começaram, em simultâneo, a incorporar espíritos de negros escravos e índios. O problema é que a linha tradicional kardecista da época dizia que somente espíritos evoluídos deveriam ser incorporados, como de doutores, intelectuais, pensadores, etc, que tivessem conhecimentos para passar. Os espíritos dos negros e índios eram considerados atrasados e deveriam ser evitados. Por fim, o espírito que incorporou em Zélio anunciou-se como o Caboclo de Sete Flechas, o senhor dos caminhos, que utilizou daquela sessão para anunciar a criação de uma nova religião onde não haveria preconceito racial e cultural, onde os índios e negros pudessem incorporar e dividir seus conhecimentos com a humanidade.

E foi assim que em 16 de novembro de 1908, manifesto o caboclo em Zélio, foi criada a nova religião, a Umbanda. Zélio, com um pequeno grupo de companheiros passou a realizar curas e fundou o primeiro espaço dedicado ao culto, a Tenda de Umbanda Nossa Senhora da Piedade, registrada em cartório em 1908 e que até hoje está em funcionamento.

Leia Também: Pontos de umbanda – saiba o que são e a importância deles na religião

3- O sincretismo religioso ocorreu por medo dos senhores das senzalas

No período da escravatura, era comum que os senhores das senzalas castigassem seus escravos de forma dura e cruel. Após os castigos, os escravos tinham costume de orar, para suas entidades africanas, em rituais. Os senhores de escravo então acreditavam que os maus que acometiam suas famílias e negócios vinham da religião escrava, do que eles chamavam de ‘macumba’. Portanto, proibiram o culto às religiões africanas e seus orixás e tentaram catequizar os negros com a religião católica.  Com a distribuição das imagens a serem cultuadas, os africanos começaram a associar os santos com as entidades do Candomblé e isso se mantém até hoje.

4- O que é macumba?

Muitas pessoas utilizam o termo macumba para tratar de forma pejorativa as religiões afro-brasileiras. Mas saiba que a macumba nada mais é do que um instrumento musical semelhante a um reco-reco utilizando nas ‘giras’ de Umbanda. Como as giras se realizam na praia e o instrumento se toca batendo, diziam: “estão batendo macumba na praia”. Mas posteriormente, macumba ganhou o tom depreciativo para todas as religiões não cristãs.

5- Existem diversas hierarquias e  facções dentro da Umbanda

A Umbanda não é única. Em sua disseminação pelo país, as origens diversas dessa religião fez com que surgissem diversas ramificações deste mesmo culto. Veja algumas delas:

  • Umbanda branca – mais ligada ao kardecismo onde normalmente não há o culto aos elementos africanos (orixás), nem o uso do atabaque, fumo ou álcool em seus rituais. Essa linha doutrinária se prende mais ao trabalho de guias como caboclos, pretos-velhos e crianças.
  • Omolokô – ramificação trazida da África onde encontramos uma mistura entre o culto dos Orixás e o trabalho direcionado dos Guias.
  • Umbanda Traçada ou Umbandomblé – ramificação onde existe misto das duas religiões, o mesmo sacerdote alterna sessões de forma diferenciada entre as duas.
  • Umbanda Esotérica – possui segmentos oriundos de vários mestres que intitulam a Umbanda como a Aumbhandan: conjunto de leis divinas.

Leia Também: Conheça os principais Orixás de Umbanda

E muitas outras.

6- O uso da vela

O uso da vela é uma herança do catolicismo na Umbanda. No entanto, usa-se a cor da vela com a associação ao Orixá representante daquela cor.  Como por exemplo, se a vela for verde, representa o espírito das matas de Oxossi, se vermelha e preta, está ligada a Exu, se vermelha e branca, ligada a Ogum e assim por diante.

7- A importância dos atabaques

Os atabaques são instrumentos de percussão que regem os pontos da Umbanda. Eles são considerados instrumentos sagrados, são cobertos com lençóis específicos e guardados com a máxima reverência. Na Umbanda acredita-se que existe um toque específico no atabaque para cada linha, e que a vibração correta ajuda o médium a incorporar com maior facilidade. É considerado perigoso inverter a batida no andamento da cerimônia.

8- Mediunidade na Umbanda

A Umbanda utiliza a incorporação através dos médiuns, que doam seus corpos para as entidades, que se manifestam através deles, utilizando das suas habilidades motoras, da fala e também do uso de tabaco e álcool. O uso adequado do corpo pelas entidades é aperfeiçoado na mediunidade pela entrega das obrigações exigidas por cada linha (tipo de elemento da entidade) o que dará ao espírito maior controle sobre o comportamento do mesmo.

Leia Também: Candomblé e Umbanda – conheça as diferenças entre as duas religiões

Bons Estudos


Agora que você conheceu a base da religião, que tal aprofundar seus estudos e descobrir tudo sobre Umbanda? Há muito a se desvendar nessa religião, por isso, bons estudos.


Descubra a sua orientação espiritual! Encontre-se!

Gostou? Compartilhe!