.
Oração de Santa Cecília – padroeira dos músicos e da música sacra

Oração de Santa Cecília – padroeira dos músicos e da música sacra

Você conhece a poderosa oração de Santa Cecília? Saiba um pouco mais sobre a sua história e aprenda a sua oração.

Afaste as más energias!
Afaste as más energias da sua vida!
Confira na nossa loja virtual as ervas produtos naturais para afastar as más energias. Aproveite já pois nossos estoques são limitados!
ESPIAR LOJA >>

Oração de Santa Cecília – a santa que morreu cantando

Peça a Santa Cecília, padroeira dos músicos, que traga alegria, inspiração e arte aos seus dias com esta oração.

Reze com muita fé:

“Ó Gloriosa Santa Cecília, apóstola de caridade,

espelho de pureza e modelo de esposa cristã!

Revesti-nos de inviolável confiança

na misericórdia de Deus,

pelos merecimentos infinitos de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Dilatai o nosso coração, para que, abrasados do amor de Deus,

não nos desviemos jamais da salvação eterna.

Gloriosa Padroeira nossa,

que os vossos exemplos de fé e de virtude

sejam para todos nós um brado de alerta,

para que estejamos sempre atentos à vontade de Deus,

na prosperidade como nas provações,

no caminho do céu e da salvação eterna.

Amém”


Leia também: Oração poderosa para transformar sentimentos negativos em positivos


Oração de Santa Cecília

Oração de Santa Cecília: a história de Santa Cecília

A história de Santa Cecília é muito bela e singular. Relatos dizem que ela era filha de uma família nobre de Roma, filha de um senador que a criou como cristã desde criança. Quando chegou à juventude, seu pai a ofereceu em casamento, contra a sua vontade, a um jovem chamado Valeriano. Cecília protestou, mas o casamento era por disputa de interesses políticos e a relutância de Cecília nada valeu.

Ela casou-se com Valeria, mas na noite de núpcias ele teve uma surpresa. Ela disse, com amabilidade, porém firmeza: “Valeriano, acho-me sob a proteção direta de um Anjo que me defende e guarda minha virgindade. Não queiras, portanto, fazer coisa alguma contra mim, o que provocaria a ira de Deus contra ti”. Valeriano era pagão, e essas palavras não fizeram qualquer sentido para ele, mas Cecília insistiu, dizendo que que a fidelidade ao voto trazia a bênção, a violação, porém, o castigo de Deus. Ela foi tão convincente, que Valeria acreditou nela e se converteu ao Cristianismo. Valeriano quis ser batizado, ele relatou o acontecido ao seu irmão Tibúrcio, que também se converteu à religião.

Entretanto, o prefeito de Roma, Turcius Almachius, via com maus olhos a disseminação cristã. Ele teve conhecimento da conversão dos dois irmãos e exigiu no tribunal que os dois abandonassem a religião, sob a pena de morte. Eles se recusaram a abandonar a sua crença e foram decapitados. Cecília também foi intimada, e exigiram que ela dissesse, na presença de um juiz, onde os tesouros dos irmãos sentenciados estava escondido. Ela disse que o tesouro estava bem guardado, mas na realidade, o tesouro de Valeriano e Tibúrcio já havia sido distribuído aos pobres.  Quando o prefeito soube deste feito, enfureceu-se e ordenou que Cecília fosse ao templo e rendesse homenagem aos Deuses, negando o Cristianismo. Mas Deus estava ao lado dela, e ao ser conduzida pelos soldados, ela falou da beleza da religião de Cristo com tanta convicção que eles se declararam ao seu favor, e também se converteram.

Este fato fez com que o prefeito Almachius perdesse a paciência com Cecília, e ordenou que ela fosse asfixiada pelos vapores d´agua por ter se negado a renunciar o Cristianismo. Aqui aparece o primeiro milagre: apesar de ter sido submetida a vapores de água de temperatura elevadíssima, Cecília nada sofreu. Almachius não desistiu, pediu que ela fosse decapitada. O algoz, que já havia realizado este serviço diversas vezes, golpeou Cecília por 3 vezes e não conseguiu separar a cabeça do tronco. Entretanto, ela ficou mortalmente ferida, caiu e ficou 3 dias nesta mesma posição, ainda viva. Ela ainda recebeu fieis que vieram a visitar e deu bons conselhos, pediu ao Papa que entregasse todos os seus bens aos pobres e pediu que sua casa fosse transformada em uma Igreja. Ela foi enterrada na Catacumba de São Calisto.

Durante as muitas invasões que a cidade de Roma sofreu, a Igreja fez a transladação de muitas relíquias de santos para as igrejas. O corpo de Santa Cecília ficou escondido por muitas anos sem que se soubesse onde ele estaria. Santa Cecília apareceu ao Papa Pascoal I, entre 1817 e 1824, e indicou onde estaria o seu corpo. O corpo, foi “encontrado intacto e na mesma posição em que tinha sido enterrado”. Ao lado dela, foram encontrados os restos mortais de Valeriano e Tibúrcio. Em 1599, por ordem do Cardeal Sfondrati, o túmulo de Santa Cecília foi reaberto, e corpo permanecia lá intacto, na mesma posição descrita pelo Papa Pascoal há muitos anos. O escultor Stefano Maderno então reproduziu, em mármore, a imagem em tamanho natural de Santa Cecília.

Hoje, Santa Cecília é a Santa da Igreja Católica que possui o maior número de Basílicas em Roma.


Encontre aqui a orientação espiritual que procura!

Saiba mais :

Ana Luiza Fernandes Ana Luiza Fernandes

Jornalista, mestre em Ciências da Comunicação e escolheu esse destino por amar ler e escrever desde criança. Vive conectada à internet, não perde uma novidade do cinema, da música e da literatura e busca constantemente a evolução pessoal e espiritual