.
Descubra como funciona o ritual de exorcismo

Descubra como funciona o ritual de exorcismo

O ritual de exorcismo é algo que gera medo na maioria das pessoas, pois está intimamente ligado a filmes de terror. Hollywood está sempre explorando o tema com longas metragens famosos como “O exorcismo de Emily Rose”, “O Ritual” e o clássico “O Exorcista”. Mas o exorcismo não é coisa de cinema, é um ritual realizado com base no cristianismo e judaísmo e tem sido feito há séculos. Nele, um sacerdote expulsa um demônio (ou espírito das trevas) que possuiu o corpo de uma pessoa. Quer saber como ele funciona de verdade? Veja abaixo.

Particularidades do exorcismo


A ideia de exorcismo que temos é algo negativo e medonho, sempre associado à possessão de maus espíritos em pessoas suscetíveis. Mas o exorcismo tem várias particularidades. Por exemplo, o exorcismo batismal é realizado quando a criança vai ser batizada, com a intenção de livrá-la do mal do pecado original. Existe o exorcismo simples, aquele que é feito para bendizer um local ou objeto e libertá-los das influências do mal. E também o exorcismo real, que é o mais conhecido, para livrar pessoas da possessão de demônios.

Leia Também: Conheça a história do exorcismo realizado no Rio Grande do Sul

O conjuro


A palavra exorcismo é derivada da palavra grega exousia que significa “obrigar mediante juramento”. Por isso, quando o sacerdote irá realizar o exorcismo, ele invoca forças sagradas maiores para obrigar o espírito demoníaco a deixar o corpo possuído. Normalmente, o sacerdote manda o espectro sair “Em nome do Pai, Filho e Espírito Santo”.

Antes de realizar o exorcismo


O sacerdote precisa ter certeza que o corpo foi mesmo possuído e que não se trata de uma desordem psicológica a ser tratada com a medicina. Primeiro, eles se baseiam no diagnóstico dado por psiquiatras e psicólogos, realizam uma investigação na vida da pessoa possuída e verificam se elas reagem de forma previsível dando sinais da possessão. Por exemplo, as pessoas possuídas têm aversão a objetos sagrados como água benta ou crucifixo, têm habilidade de falar subitamente em outros idiomas, têm uma força física extraordinária e capacidade de saber de fatos das pessoas presentes no ambiente que normalmente não saberia. Comportamento agressivo e linguagem obscena também são indícios.

O decorrer do ritual


Confirmada a possessão, o sacerdote baseia-se no Ritual Romano, um dos livros da Igreja Católica que descrevem os ritos oficiais da cerimônia. O padre exorcista veste uma sobrepeliz e estola roxa, e começa então com uma série de orações implorando a Deus que livre o possuído do demônio e demandando em nome do senhor que o mal saia do corpo. O padre faz uso da água benta para ungir o local, as pessoas presentes e o possuído, e encosta nele objetos sagrados como cruzes e imagens de santos. No fim do ritual, o sacerdote decide se o demônio foi expulso, se ainda houver sinais de possessão, novas sessões podem ocorrer.

Em sessões de exorcismo na vida real, nunca foram constatados ações sobrenaturais como o possuído levitar, arranhões aparecendo em sua pele ou a cabeça girar completamente, isso é coisa de filmes para deixar o ritual ainda mais assustador.

Veja também:

Ana Luiza Fernandes Ana Luiza Fernandes

Jornalista, mestre em Ciências da Comunicação e escolheu esse destino por amar ler e escrever desde criança. Vive conectada à internet, não perde uma novidade do cinema, da música e da literatura e busca constantemente a evolução pessoal e espiritual