.
Combater a cultura do estupro: você pode ajudar a combater! Saiba como.

Combater a cultura do estupro: você pode ajudar a combater! Saiba como.

Se você acompanha as discussões que estão em alta já deve ter se deparado com o termo “cultura do estupro”. Em um primeiro momento, afirmar que vivemos em uma sociedade onde o estupro não só é aceito como incentivado parece absurdo e até extremista, mas é preciso se aprofundar na questão de como combater a cultura de estupro para entender o que isso quer dizer – e o porquê disso ser tão discutido.

Cultura do estupro é um termo que descreve o ambiente no qual o estupro é predominante e a violência sexual contra mulheres é normalizada na mídia, sociedade e cultura popular. É necessário combater a cultura do estupro desde a raiz do problema, para evitar que mais mulheres sofram as consequências do machismo.

Afaste as más energias!
Afaste as más energias da sua vida!
Confira na nossa loja virtual as ervas produtos naturais para afastar as más energias. Aproveite já pois nossos estoques são limitados!
ESPIAR LOJA >>

Como a cultura do estupro é aceita

Mas se o estupro é crime, previsto pelo artigo 213 do Código Penal Brasileiro, como pode ser considerado normal?

Simples: estamos acostumados a lidar com a objetificação dos corpos femininos na publicidade, novelas, filmes e obras pornográficas, rir de piadas sexistas, como as que apontam mulheres como burras ou seres que só se preocupam em gastar e satisfazer seu homem, e principalmente, duvidar das vítimas de agressão sexual.

Tudo isso faz com que, na mentalidade popular, o estupro seja um crime bárbaro, mas ao mesmo tempo a mulher seja um ser cuja privacidade e sexualidade pode ser invadida sem maiores problemas, afinal, todo mundo faz isso. Um exemplo claro é forçar um beijo em uma mulher que já deixou claro que não estava disposta, como se isso não implicasse em algo invasivo e desrespeitoso que pode traumatiza-la e faze-la se sentir mal.


8 maneiras de combater a cultura do estupro

No Brasil, uma mulher é estuprada a cada 11 minutos. Por ano, são cerca de 50 mil casos de estupro, mas estima-se que isso represente uma parcela ínfima dos casos, pois a maioria das vítimas tem medo ou vergonha de denunciar.

Isso se deve, inclusive, à outra prática comum da cultura do estupro: a de duvidar da palavra da vítima ou constrange-la a ponto de desistir da denúncia. As delegacias ainda são espaços predominantemente masculinos e despreparados para lidar com uma situação tão delicada quanto o estupro, e num momento onde a vítima se sente fragilizada, com medo e com vergonha ela precisa de tratamento adequado.

As delegacias da mulher visam oferecer esse tratamento e investigação qualificadas e combater a cultura do estupro. Geralmente é predominantemente feminina para oferecer um espaço mais acolhedor, já que uma vítima pode se sentir intimidada por outro homem após sofrer uma agressão sexual.

O assunto é complexo, e para entender como combater a cultura do estupro é preciso, primeiramente, se informar sobre o tema para não propagar ignorância. Algumas atitudes simples também fazem a diferença nessa luta:

  • Não culpar a vítima

    É extremamente comum questionar a conduta da vítima que foi estuprada e até investigar seu passado para encontrar argumentos que a culpem. Seja pela roupa, pelo comportamento ou pela orientação sexual, nenhuma vítima tem culpa pela violência que sofreu.

    Afirmar isso, mesmo que de forma indireta, é cometer outra violência contra a vítima e contribuir para que os casos de estupro não sejam denunciados por vergonha e devidamente investigados. Muitas vítimas deixam de denunciar por medo dos comentários e julgamentos. A culpa é sempre do estuprador.

  • O estuprador não é um desconhecido

    O agressor pode ser seu amigo, que transou com uma mulher inconsciente, ou seu irmão, que coagiu alguém a praticar sexo após oferecer uma carona para casa.

    Por mais triste e revoltante que seja, precisamos deixar de encarar o estuprador como um desconhecido em um beco escuro e enxerga-lo como uma pessoa comum, que convive conosco e está ao nosso lado. Se o agressor fosse esse desconhecido não teríamos tantos casos de estupro – 1 a cada 11 minutos – e tantos relatos de abuso sexual dentro de casa, com tios, avôs, pais, padrastos e conhecidos da família.

  • Não passe pano

    Se souber de um caso de violência sexual ou mesmo agressão em seu meio social – vizinhos, amigos ou parentes – não ignore como se isso não fosse problema seu e ajuda a combater a cultura do estupro.

    Ofereça ajuda à vítima e denuncie, repreenda quem praticou o ato e deixe claro que isso não é certo. Isso vale tanto para o vizinho que bate na mulher quanto para o amigo que compartilha fotos de mulheres sem autorização. O silêncio e omissão também contribuem para a cultura do estupro.

  •  Não insista

    Se a mulher não quer conversar, beijar ou transar, não insista. Ela tem a liberdade de decidir o que deseja fazer, assim como qualquer pessoa. Não encare a negativa como um desafio ou charme, e sim como aquilo que realmente é: uma negativa. Repreenda também aqueles que fazem isso.

  • Homens

    Conversem sobre! A cultura do estupro é difícil de desconstruir porque começa ainda na infância, quando a sociedade insiste que o menino deve ser garanhão e a menina deve “se valorizar”. Conversar sobre o assunto ajuda a propagar informação e educar.

    Falem sobre práticas nocivas e ofensivas e como podem ajudar a combater a cultura do estupro com algumas mudanças de atitude, como repreender quem compartilha conteúdo sem autorização ou faz piadas machistas.

  • Não ensine o machismo

    Pais, não ensinem seus filhos que “homem não chora”, “meninos devem pegar todas e ser viris” e que machismo é algo positivo. Não ensinem as meninas a se calar, serem delicadas e “se dar o respeito”, pois o respeito é algo que todas as pessoas tem direito, não é algo que se dá.

    A cultura do estupro se beneficia desses maus ensinamentos, que forçam os meninos e meninas em direções contrárias e nocivas.

  • Não perpetue o estupro como punição

    Estupro é errado em qualquer situação, e as coisas não se resolvem na base do “olho por olho, dente por dente”.

    Ao reforçar a ideia de que criminosos devem ser estuprados na prisão ou que o próprio agressor deve ser estuprado para aprender reforça-se também que o estupro é aceitável em alguns casos – e não é! Pelo contrário, essas ideias geralmente vem acompanhadas de frases como “vai virar mulherzinha na prisão”, o que reforça a ideia de que a mulher é inferior e pode ter o corpo invadido.

  •  Se avalie no dia a dia

    Preste atenção nos conteúdos que consome, seja em músicas, séries e livros. Avalie quantas vezes mulheres são expostas, ridicularizadas ou objetificadas, de que forma elas são mostradas e sobre o que elas falam.

    Preste atenção nas piadinhas, nos comentários, nos olhares julgadores. O machismo está no dia a dia, na forma de olhar maliciosamente para uma mulher com saia curta – como se fosse um convite – ou de insinuar que a colega de trabalho dorme com o chefe. Avalie, repense e repreenda quando perceber tais situações para combater a cultura do estupro.

Encontre aqui a orientação espiritual que procura!

Saiba mais :